quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Ninho

Navego pelas estrelas...
Das palavras, aquela menor... A mais intensa.
Versos... Vozes...
Ninho de choro, barbas de uma árvore que escorregava por entre os meus cílios... Ou meus dedos.
Norteei o meu rumo...
Andei pelas ruas... Pelas esquinas do tempo...
Tudo muito rarefeito.... Com efeito, às formas.
Palavras enroladas na língua... Andares soltos... Meu frasco de pedacinhos de vida...

Nenhum comentário:

Postar um comentário