quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Resta um


Pouquinho dos dias... Das luminárias... Da fonte...
Das águas de todos os tamanhos.
Rasgas as veias, com a fragilidade dos ditos...
Crias... Credos... Criados... Raízes...
Resta um... Grude de terra... Para levantar acampamento... E, no (do) firmamento sacudir a poeira.
Escultura feita de nuvens... Desvai-se com um sopro...
Alguns contornos ganharam vida, ao longo dos anos... Outros abrigam o mistério das garras afiadas... Apenas planos.
Volvo os olhos para a estrada... Arranco, do corpo, as vestes do que fora encravado...
Resta um minuto... Reforçaria o dito... Mas, rasgo os papiros...
Nem folhas... Nem frutos... Apenas, abrigo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário