quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Palavras embaladas

Ouvimos segredos... Descuidos e medos...
Sabemos distâncias... Limites... Respostas...
Volumes... Ciúmes?... Revoltas... Falsas... Modéstias...
Não brinque com a fome... O prato tem bordas.
Suplique à sensatez... O lastro que deixas...
Sedentas estrelas... São cordas da orquestra.
Não brinque com o riso... São pérolas embaladas.
Sejamos serenos... Severos, conosco...?
O outro é o caminho... Aprender a viver...
Soluços e veneno... Na vida não têm vez.
O Amor sempre ensina... O cuidado com o peito.
Amar sem limite?... Atira ao chão.
As voltas da vida... São grandes tropeços.
Migalhas são cinzas... Cuidar é o começo.
Palavras tão soltas... Rompendo o costume... Ser dono?... Ser réu?

Que a noite se entregue... Não sei nada disso!
Se pontes... Se palcos... A boca do avesso... Canso... Adormeço!

Nenhum comentário:

Postar um comentário